Escolas se adaptando à realidade

Educar crianças nunca foi uma missão fácil: há dogmas curriculares, choques de geração, quedas de interesse e incontáveis desafios no caminho entre as disciplinas e as pequenas mentes que, em tese, deveriam absorvê-las. 

Mas o problema, ao menos a meu ver, não é o desafio em si: é o inacreditável conservadorismo das escolas, em especial das brasileiras, que insistem em manter os mesmos métodos do século XIX mesmo cientes de que as suas eficácias são inquestionáveis. Pense bem: faz sentido, hoje, fazer alunos decorarem matérias, evitarem colas em provas e interagirem uns com os outros apenas em esparsas ocasiões? 

Ora… se a escola deveria preparar os alunos para o futuro, porque insistimos tanto em nos prender a realidades de passados tão distantes? Não seria mais efetivo, para ficar apenas em um exemplo, ensinar os alunos a pesquisar conteúdos na Internet durante as provas – incentivando a cola bem feita – ao invés de testar a capacidade de suas memórias? Qual o importante, afinal? Que ele “aprenda a aprender” ou que decore algo que fatalmente esquecerá uma hora depois da prova? 

Voemos para fora do Brasil. Na Finlândia, dezenas de escolas estão experimentando métodos bem diferentes. Ao invés de currículos rigidíssimos, quase vitorianos, eles selecionam temas que estejam em pauta no cotidiano (e que, portanto, já atraem o interesse das crianças) e distribuem as matérias em torno deles. Por exemplo: se o tema é “mudança climática”, eles criam projetos que envolvam matemática, história, geografia e até conceitos básicos da economia para que os alunos aprendam, sempre em grupos e com base em aplicações práticas, cotidianas, os conhecimentos que precisam ter. 

Bem melhor, não? Esse mesmo tipo de método tem se espalhado pelo norte da Europa, gerando alunos muito mais interessados e preparados para o futuro. E nós, aqui no Brasil? 

Certamente há uma ou outra escola com métodos mais interessantes – mas elas são a ampla minoria. Resultado? 

Enquanto o mundo muda para produzir cidadãos mais engajados e apaixonados pelo conhecimento, nós seguimos impondo tabuadas e cronologias de datas inúteis. 

Que nós, pais, consigamos compensar esse conservadorismo escolar engajando os nossos filhos à nossa maneira. 

Sabe quem mais compra livros para as crianças aqui na Fábrica de Historinhas?

Avós.

E não estou falando de uma maioria pequena das assinaturas de histórias infantis personalizadas – estou falando de algo na casa dos 85% de todas as compras.

Me deparei com esse número ontem, quando estava me debruçando sobre as nossas estatísticas por pura curiosidade. Confesso que me surpreendi.

Não deixa de ser curioso que, em uma sociedade que tanto reclama da falta de cultura de forma geral, tantos pais acabem deixando para os avós essa que talvez seja a mais importante das “forças educadoras” existentes: a literatura.

Não que isso seja necessariamente ruim – pelo menos, afinal, existe a figura dos avós que se dispõem a passar adiante o amor pelos livros aos seus netos. Mas, por outro lado, são os pais que mais convivem com os filhos – e são os pais colocam os filhos para dormir, que têm as oportunidades únicas de niná-los ao som das letras, que têm dentro de casa as condições perfeitas para usar histórias como ferramentas de crescimento. Sem a presença ativa dos pais, livros deixam de ser histórias mágicas e passam a ser objetos tão irrelevantes como abajures.

As nossas estatísticas não mostram, claro, o que acontece dentro das casas de ninguém. Elas não revelam, por exemplo, se os pais efetivamente lêem as histórias que os avós compraram para as crianças ou se os livros viram apenas tristes peças decorativas nas estantes. Elas também não podem ser lidas com generalismos onipotentes: não sei se essa constatação que tive se aplica à venda de livros infantis na Livraria Cultura, na Travessa, na Curitiba ou em outras.

Tomara que não. Tomara que nossos números sejam apenas um recorte enviesado da realidade e que os pais dêem mais atenção à educação literária dos seus filhos. 

Que futuro se pode esperar de uma sociedade, afinal, sem que suas histórias sejam contadas e recontadas com os devidos entusiasmos?

A escolha da história

No começo, eu mesmo gostava de escolher a historinha da noite para a minha filha. O raciocínio era simples, até simplista: como pai, eu saberia melhor que tema abordar junto a ela.

Há raciocínio mais antiquado que esse, mais digno do século XIX??

Se tem uma coisa que minha filha me ensinou foi que nós não temos a menor pista de quais os temas que realmente atormentam as crianças se não deixarmos elas mesmos dizerem. Observar é importante, obviamente – mas nem sempre os olhos de um adulto conseguirão captar as tantas entrelinhas que se escondem nos olhares de uma criança.

Assim, um novo diálogo, tão rico quanto invisível, passou a se estabelecer entre nós todas as noites. Eu pergunto a ela que livro ela quer ler. Ela escolhe.

Pela sua escolha, percebo alguns medos, algumas ansiedades, alguns temas que parecem estar pairando no ar.

Não os ataco diretamente: com crianças, os caminhos mais curtos tendem a ser também os mais longos. Vou apenas trabalhando tons de vozes e emoções, reforçando falas e trechos da história escolhida. Vou acompanhando os olhares, respondendo a perguntas com desvios de enredo personalizados, colando a fantasia à realidade em pontos-chave.

Depois que passei a fazer isso, a hora da historinha virou algo bem menos protocolar lá em casa: virou uma conversa invisível aprofundadíssima entre pai e filha, algo já esperado como se fosse um dos pontos mais altos do dia.

É impressionante como há sutilezas na conexão com crianças.

childPickingBook

(Mas as historinhas são sempre sagradas)

Na terça passada, fiz um post aqui sobre a alta carga de responsabilidade que, às vezes, entregamos aos nossos filhos.

Lá em casa, em nosso próprio micro-universo, estamos lidando com isso agora – mas tem uma coisa que me mantém orgulhoso. Seja com o cansaço que for, algo nunca muda na nossa rotina: minha filha só dorme, ao menos em dias de semana, depois de receber a sua dose de historinhas noturnas.

Para mim, é um alívio.

Acho isso fundamental – principalmente por ser uma demanda que parte dela, não de mim. Histórias abrem mentes, impulsionam sinapses, despertam um tipo de curiosidade de mundo que considero fundamental para o amadurecimento de qualquer ser humano. Seja por Marcelo, Marmelo, Martelo, por alguma historinha personalizada daqui da Fábrica ou por contos do Monteiro Lobato sobre Romanos e Egípcios, o fato é que há todo um emaranhado de curiosidades e repertórios sendo construído toda noite.

Repertórios.

O que seriam eles senão os ingredientes mais fundamentais para que todos nós, crianças e adultos, consigamos nos desemaranhar dos nossos problemas e resolver os desafios que a vida sempre colocará em nossas frentes?

É com eles – os tantos personagens que nos fazem companhia todas as noites – que mais conto para que ela cresça bem, inteligente e, sobretudo, feliz.

Há excesso de responsabilidades?

9 entre 10 pais – e estou sendo generoso aqui – dizem que um dos maiores desafios que tem é ensinar os filhos a terem responsabilidade.

Não quero menosprezar a tarefa: em um mundo tão cheio de volubilidades, onde tudo é tão efêmero, sob demanda e ao alcance, entender o conceito de responsabilidade certamente é algo dificílimo.

Mas, às vezes, erramos na dose.

Afinal, enquanto discutimos com os nossos filhos para que eles cuidem melhor dos seus brinquedos, para que mantenham os quartos impecavelmente arrumados, para que limpem as suas bagunças – tudo absolutamente coerente, acrescento – também os entulhamos de aulas e atividades como ballet, judô, técnicas circenses, inglês, espanhol, futebol, piano.

Sim, tudo faz parte da educação. Não questiono isso. Mas deve haver algum limite, alguma linha a partir da qual o peso se torna excessivo. Comecei a perceber isso em casa.

Lá, enfrento os mesmos desafios que, provavelmente, qualquer pai normal. Mas comecei a observar um pouco mais a minha filha mais velha, de 5 anos (a mais nova ainda não completou dois meses de vida). Ela brinca como qualquer criança, diverte-se insanamente, é hipercriativa, inteligente e tudo mais que um pai coruja pensa de sua cria.

Mas, fora de todo esse círculo de elogios, ela também está acumulando momentos de um tipo de cansaço que comecei a considerar excessivo para uma menina tão nova. Esse cansaço não se traduz só em sono, claro: há momentos de malcriação mais fora de contexto, há unhas sendo roídas, há uma ansiedade por acontecimentos futuros tamanha que começamos a evitar contar novidades até que elas estejam prestes a acontecer.

Isso tudo nos fez pensar que, talvez, esteja na hora de diminuir um pouco o rol de tarefas, de aliviar o estresse que nós, pais, às vezes nem nos damos conta de estarmos gerando.

Ainda não sei como e nem o que… mas toda história, todo enredo começa com algum problema posto à frente de seus protagonistas. Certo?

Eis o nosso: dar mais espaço para que uma criança possa ser um pouco mais… criança.

yawning-child